O que é?

É a exposição da superfície da raiz do dente devido ao deslocamento da gengiva em sentido contrário à coroa dentária.

Quais são os fatores causais?

Existem fatores predisponentes e desencadeantes e a combinação de ambos irá exacerbar a extensão da recessão.

Fenestração óssea

Deiscência óssea 

Fatores desencadeantes:

 

  • Fluxo salivar baixo.

  • Escovação traumática: o efeito deletério da escova pode ser explicado por uma pressão exagerada na escovação, pela utilização de escova com cerdas média ou dura, por uma frequência de escovação aumentada, ou então, pela associação desses fatores.

  • Lesões de cárie cervicais não tratadas.

  • Inflamação: a gengivite e a doença periodontal favorecem a recessão tecidual. O infiltrado inflamatório se estabelece e degrada a maior parte do tecido conjuntivo da margem do dente levando à recessão. Aumentando a dificuldade de escovação, a recessão se autopreserva e progride devido ao fator inflamatório.

  • Prótese fixa: o ponto de junção da prótese com op dente ao nível gengival ou abaixo da gengiva pode provocar retenção de placa e gerar inflamação e consequente recessão.

  • Grampos de próteses parciais removíveis.

  • Movimentação ortodôntica.

  • Trauma oclusal à forças mastigatórias mal direcionadas sobrecarregando o tecido ósseo e gengival.

  • Tabaco à fumantes têm maior perda de inserção (elementos de sustentação do dente ) e recessão gengival que os não fumantes.

Consequências:

 

  • Hipersensibilidade no dente provocada, particularmente, por estímulos térmicos, pelo contato e/ou alimentos doces;

  • Cáries radiculares;

  • Aspecto antiestético ao sorrir;

  • Perda progressiva de suporte;

  • Tensão emocional pelo medo de perder um ou mais dentes.

O que podemos fazer para você:

CRÉDITO DAS IMAGENS  ILUSTRATIVAS :

Garib, Daniela Gamba, Yatabe, Marília Sayako, Ozawa, Terumi Okada, & Silva Filho, Omar Gabriel da. (2010). Morfologia alveolar sob a perspectiva da tomografia computadorizada: definindo os limites biológicos para a movimentação dentária. Dental Press Journal of Orthodontics, 15(5), 192-205.

Fatores predisponentes:

 

  • A anatomia óssea: presença de deiscências, fenestrações e/ou corticais ósseas finas que sustentam os dentes.

  • Mal posições dentárias: os tecidos moles e os tecidos duros que circundam o dente podem ficar reduzidos em altura ou em espessura pela falta de espaço adequado entre os dentes.

  • Freios e vestíbulos rasos: quando o freio está inserido próximo à gengiva marginal, pode exercer uma tração dos tecidos moles favorecendo a recessão. Constitui também um entrave à higiene podendo, assim, contribuir para um inadequado controle de placa próximo a sua inserção.

Primeiro: Eliminar os fatores que causaram da recessão gengival, como:

  • Ensinar ao paciente a eliminar a presença de placa bacteriana por meio de correta higienização dentária

  • Eliminar traumas oclusais.

  • Indicar tratamento ortodôntico, quando necessário.

  • Eliminar cirurgicamente a presença de freios ou "pregas" que estejam tracionando o tecido gengival.

 

Em seguida: Proceder à correção cirúrgica da recessão.

1/6
Os casos acima foram
realizados pela
Dra. Tayana Filgueira - CRO 6896
Marque uma avaliação com nossa equipe. Caso já tenha exames de imagem, como radiografias e tomografias dentárias, favor trazer para sua consulta.

INTEGRANDO A SAÚDE BUCAL

AO

CORPO HUMANO

Prevenção - Função - Estética

DOENÇA PERIODONTAL:

Retração gengival

(61)   3327-2900
(61) 98316-2900
Dra. Denise Falcão - CRO 2206

© 2020 por Clínica Humanus. Criado com Wix.com