Até meados do século XVII a saliva era considerada um excremento constituído de impurezas do sangue e do espírito. Era muito comum o emprego de doses maciças de substâncias que estimulavam a salivação e sangrias para promover a cura de doenças e eliminação de “maus espíritos”.

Antigamente, os membros da corte judicial avaliavam o fluxo salivar para detectar mentiras. O acusado recebia uma porção crua de arroz para mastigar, caso não se formasse uma massa compacta ficava caracterizado seu medo evidenciando-se assim, sua culpa.

GARRETT, JR. Changing attitudes on salivary secretion – A short history on spit. Proc R Soc Med n. 68, p. 553-560, 1975. apud MANDEL, I. The functions of saliva. J Dent Res, n. 66, p. 623-627, 1987.

Dra. Denise Falcão - CRO 2206

© 2020 por Clínica Humanus. Criado com Wix.com